Futebol Internacional

ELIMINATÓRIAS DA COPA DE 2022

CBF se isenta e diz que enviou 3 avisos à Argentina sobre regras sanitárias

Entidade reforça que argentinos foram alertados sobre protocolo sanitário

postado em 06/09/2021 18:50

(Foto: Nelson Almeida/AFP)
A CBF voltou a se pronunciar oficialmente sobre o imbróglio envolvendo a Seleção Brasileira e a Argentina, nas Eliminatórias da Copa do Mundo. Em nova nota, a entidade se isentou de qualquer responsabilidade sobre o caso, que levou à suspensão do clássico aos cinco minutos do primeiro tempo no domingo, e revelou ter enviado três avisos aos argentinos sobre as regras sanitárias vigentes no país relativas à pandemia de COVID-19.

"A CBF esclarece ainda que cumpriu rigorosamente seu papel institucional como entidade anfitriã do jogo, informando todos os envolvidos no jogo a respeito das leis sanitárias em vigor no país em ofício enviado, por meio da Secretaria Geral da entidade, no dia 5 de julho, e reenviado posteriormente em 11 de agosto e 2 de setembro", anunciou a entidade brasileira.

Na nota, a CBF diz que esteve presente na reunião realizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em que todas as entidades relacionadas ao jogo, incluindo a Associação de Futebol Argentino (AFA), estiveram presentes, no sábado, véspera da partida, em São Paulo.

No entanto, a entidade nacional reitera que sua participação foi burocrática, representada pelo médico Roberto Nishimura, coordenador operacional da sua Comissão Médica Especial. "A CBF enviou representação à referida reunião como ouvinte, atendendo a pedido da Vigilância de Saúde do Estado de São Paulo, onde estiveram reunidos representantes do referido órgão, do Ministério da Saúde, da Anvisa, da Conmebol e da Associação Argentina de Futebol (AFA)."



A CBF reiterou as informações divulgadas pela Anvisa, sobre a reunião de sábado, e revelou mais detalhes. De acordo com a confederação, os argentinos descumpriram as orientações da Anvisa durante o próprio encontro, em que as autoridades brasileiras explicavam que os jogadores Emiliano Martinez, Emiliano Buendia, Giovani Lo Celso e Cristian Romero deveriam estar em quarentena, após entrarem de forma irregular no país.

"Após a reunião, quando solicitada a presença dos atletas, os agentes da Vigilância de Saúde foram informados que os jogadores haviam saído para o treinamento, descumprindo orientação passada durante a reunião. O órgão informou o descumprimento à Agência Nacional de Vigilância Sanitária e ao Ministério da Saúde, responsáveis pela análise do pedido de excepcionalidade encaminhado pela Conmebol em nome da AFA", informou a CBF.

Na mesma nota, a entidade explicou que o "pedido de excepcionalidade" foi negado pelo Ministério da Saúde, em comunicação da Conmebol à AFA. Segundo a CBF, a notificação aconteceu já na Neo Química Arena, em São Paulo, mas havia "tempo suficiente para adotar os procedimentos necessários". Ou seja, o quarteto argentino poderia ter sido retirado do estádio antes do início da partida.

Por fim, a nota diz que o presidente em exercício da CBF, Ednaldo Rodrigues, não "interferiu em qualquer ponto relativo ao protocolo sanitário estabelecido pelas autoridades brasileiras para a entrada de pessoas no país". "O papel da CBF foi sempre na tentativa de promover o entendimento entre as entidades envolvidas para que os protocolos sanitários pudessem ser cumpridos a contento e o jogo fosse realizado", registrou a entidade.

A partida entre Brasil e Argentina, pelas Eliminatórias, foi suspensa aos 5 minutos de jogo, com a entrada de agentes da Anvisa e Polícia Federal no gramado do estádio do Corinthians, no domingo. A agência nacional alegou que precisava retirar do jogo os quatro jogadores argentinos, que entraram de forma irregular no País por não informarem que estiveram no Reino Unido dias antes de desembarcar no Brasil.

A portaria interministerial nº 655, de junho de 2021, estabelece que viajantes estrangeiros que tenham passagem, nos últimos 14 dias, por Reino Unido, África do Sul, Irlanda do Norte e Índia estão obrigados a cumprir quarentena para evitar a disseminação de novas variantes do coronavírus. Há suspeita de que os argentinos também infringiram a legislação nacional ao apresentarem supostamente informações mentirosas no formulário em que deveriam apresentar os países em que estiveram nos últimos dias.

Tags: argentina cbf futinternacional eliminatorias selefut