Atlético

PRIMEIRA VEZ

E a invencibilidade caiu no Horto...

Galo abre o placar com Bernard, que é expulso na comemoração e assiste, do banco, à virada do Atlético-PR. Depois do jogo, Cuca revela que atacante está de viagem marcada para a Ucrânia

postado em 01/08/2013 08:03

Joao Miranda/Esp.EM/D.A Press

A sensação era de despedida e gratidão pelosbons momentos com a camisa do Atlético, principalmente depois do inédito título da Copa Libertadores. Em dois anos e quatro meses como profissional, o atacante Bernard atuou 100 vezes, conquistou três troféus e construiu bela história no clube que o revelou – ainda foi convocado para a Seleção Brasileira, campeã da Copa das Confederações. No entanto, seu ciclo no Galo praticamente se encerrou de forma amarga. O time alvinegro perdeu, de virada, por 2 a 1 para o Atlético-PR, ontem à noite, resultado que pôs fim à invencibilidade de 54 partidas como mandante, sendo 38 no caldeirão do Independência.

Bernard foi do céu ao inferno. Depois de marcar o gol do Atlético aos 35min do segundo tempo, ele tirou a camisa na comemoração e, como já tinha levado o amarelo, foi expulso pelo árbitro Paulo César de Oliveira, numa atitude irresponsável. Com um a menos, o Galo não conseguiu segurar o triunfo e viu o Furacão virar, em dois minutos, com Éverton e Éderson.

A partir de hoje, o xodó atleticano decidirá com a família se aceitará a proposta do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, de cerca de R$ 76 milhões, naquela que pode se tonar a maior transação da história do Galo. O presidente Alexandre Kalil teria deixado Bernard à vontade para escolher seu destino – a preferência do atacante era o Porto, de Portugal.

Emocionado, Bernard disse depois do jogo contra o Atlético-PR que a pressão é grande: “Deixei claro que eu quero ficar, mas a pressão anda muito grande de todos os lados. Tenho que dormir com esse peso. É muita especulação. Dinheiro não é tudo na vida. Quero a minha felicidade e, se for para ficar num lugar ganhando menos e sendo feliz, quero isso”.

Antes da partida, ele recebeu uma placa comemorativa pelos 100 jogos com a camisa alvinegra. “Não é qualquer um atleta com 20 anos que completa 100 jogos por clube tão querido como o Atlético. É uma emoção grande”, afirmou. Cuca já pensa no time sem o xodó: “Ele vai viajar, fazer as coisas dele, cuidar de sua vida. Cumpriu com a parte dele, muito difícil, quase impossível que ele fique aqui”. Alexandre Kalil teria conversado com o jogador nos vestiários após a partida e comunicado ao grupo a respeito da saída do camisa 11.

CHANCES Ciente de que talvez seriam os últimos minutos com a camisa do Atlético, o prata da casa incendiou a partida. Esperto e veloz, chegou ao gol de Wéverton três vezes somente no primeiro tempo. Mas seus companheiros de ataque – à exceção de Diego Tardelli – pouco produziram. Na etapa final, Bernard continuou a incomodar o Furacão nas assistências. Teve a chance de marcar o gol numa cobrança de falta da meia-lua, contudo chutou na barreira.

Ronaldinho Gaúcho não atuou devido a forte gripe, assim como o volante Rosinei. Mas a viagem de Assis, irmão e empresário do camisa 10, à Turquia fez crescer os rumores de uma possível negociação com o Besiktas. A diretoria alvinegra descarta a possibilidade de saída de Gaúcho antes do fim do contrato, em dezembro.

O Atlético não fez o suficiente para vencer a partida, já que o setor ofensivo mostrou-se apagado. Foi necessário que Neto Berola, que saiu do banco de reservas, começasse a jogada de ataque no gol alvinegro. Ele arrancou e cruzou para Bernard chutar forte. Ao tirar a camisa oficial para mostrar uma por baixo, com os dizeres “Uma vez até morrer”, ele foi expulso.

Do banco, Bernard viu os dois gols do adversário. No primeiro, Éverton recebeu livre na área, pela direita, e finalizou no canto direito de Victor. Em seguida, Zezinho fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Éderson virar o placar. Alecsandro ainda acertou a trave nos acréscimos. Desta vez, a torcida alvinegra foi embora triste, sem cantar “caiu no Horto, tá morto”.

Atlético 1 X 2 Atlético-PR

Atlético
Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Réver e Júnior César; Pierre (Michel, intervalo), Josué e Luan (Neto Berola 28 do 2º); Diego Tardelli, Jô (Alecsandro 40 do 1º) e Bernard
Técnico: Cuca

Atlético-PR
Wéverton; Leo, Manoel, Luiz Alberto e Pedro Botelho; Bruno Silva, Juninho, Elias (Felipe 27 do 2º) e Éverton; Marcelo e Dellatorre (Ederson 31 do 2º)
Técnico: Vágner Mancini

Estádio: Independência
Gols: Bernard 35, Éverton 41 e Éderson 42 do 2º
Árbitro: Paulo César de Oliveira (SP)
Assistentes: Alberto Poletto Masseira (SP) e Vanderson Antônio Zanotti (ES)
Cartão amarelo: Bruno Silva, Leonardo Silva e Diego Tardelli
Cartão vermelho: Bernard
Pagantes: 14.913
Renda: R$ 659.825