Basquete

NBB

Basquete de Brasília perde patrocínio do UniCeub e capital arrisca ficar sem time

Parceria vitoriosa com a instituição de ensino durou seis temporadas. Últimos meses foram marcados por atrasos de pagamento e indefinição do futuro

postado em 07/06/2017 19:47 / atualizado em 07/06/2017 21:17

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Daniel Ferreira/CB/D.A Press

 

O maior apoiador do basquete de Brasília decidiu deixar a modalidade. Principal patrocinador do time da cidade desde 2010, o centro universitário UniCeub vai cortar os investimentos a partir de 31 de julho, quando expira o contrato atual. 

 

Os responsáveis pelo time junto à Liga Nacional de Basquete (LNB), Homero Oliveira Neto e José Carlos Vidal, negaram ao Correio que o fim da parceria esteja definido. A decisão, porém, já foi tomada.


Sem a empresa, a continuidade da capital no Novo Basquete Brasil (NBB), a principal liga do país, corre muito perigo. Isso porque o time teve, nas últimas temporadas, três patrocinadores principais: UniCeub, Terracap e BRB. O primeiro decidiu sair, o segundo sofre com um rombo de R$ 1,3 bilhão e o último é o único interessado em manter o apoio. Por volta das 20h20 desta quarta-feira (7/6), o UniCeub liberou nota confirmando a retirada do patrocínio.

 

"Diante desse contexto e com a certeza de ter cumprido esta importante missão e ter escrito uma história de conquistas, nos despedimos e agradecemos a todos os profissionais envolvidos, especialmente, aos torcedores desta arena que se tornou Brasília. Para os próximos desafios, continuamos fortes na torcida e desejamos ao Instituto Viver Esporte – IVE, que toda essa trajetória de sucesso permaneça por muitas temporadas", diz o trecho final da nota, assinado pela assessoria de imprensa da instituição.


Os bastidores das últimas semanas já indicavam o fim da parceria. Salários dos atletas estão atrasados e a premiação da Liga Sul-Americana, torneio encerrado no início de novembro, quando o time caiu nas semifinais, ainda não foi paga. O acerto dos R$ 35 mil mensais de aluguel do Ginásio da Asceb, na 904 Sul, onde o time treina e manda os jogos, está pendente.

Além disso, a equipe era um das poucas do NBB que ainda não havia iniciado negociação com jogadores ou patrocinadores para a próxima temporada, uma indefinição que incomodava funcionários, atletas e comissão técnica. A Liga de Basquete da Grande Brasília (Braba) começará em agosto. É necessário disputar o torneio regional para poder jogar o NBB, que deve iniciar em novembro.

E agora?

Ainda é cedo para traçar o futuro do basquete em Brasília. Desde 2010, quando o UniCeub assumiu o lugar do Universo como principal patrocinador da equipe, o dono da vaga no NBB é o Instituto Viver Esporte (IVE), organização sem fins lucrativos presidida por Homero Oliveira Neto, funcionário do próprio UniCeub, ex-chefe do departamento de recursos humanos da entidade.

Hoje, o IVE funciona no câmpus do UniCeub, atrás do ginásio de esportes da instituição. Devido à proximidade entre a organização e o centro de ensino, a continuidade do projeto em Brasília é incerta. Por ser o dono da vaga, o IVE pode cedê-la ou vendê-la para um interessado, seja na capital, seja fora. Qualquer negócio dependerá do aval da Liga Nacional de Basquete, por meio de assembleia, provavelmente a ser realizada na segunda quinzena de julho.

Conquistas

Iano Andrade/CB/D.A Press
Com o suporte do UniCeub, o basquete de Brasília ganhou dois títulos do NBB (2011 e 2012) e três da Liga Sul-Americana (2010, 2013 e 2015). O time alinhou ídolos como Alex Garcia, Arthur, Nezinho, além do atual capitão, Guilherme Giovannoni.

Passaram por Brasília ex-atletas da NBA, a liga americana de basquete, casos de Lucas Tischer e Fab Melo. A equipe também contou com vários jogadores com histórico de Seleção Brasileira, como Fúlvio e Lucas Mariano.

O recorde de público do NBB foi conquistado em Brasília. Em 2011, no jogo que valeu o título nacional diante do Franca, o Ginásio Nilson Nelson recebeu 18 mil torcedores.