Basquete

LIGA OURO

Conheça o Brasília Búfalos, o segundo representante do DF na Liga Ouro

Ao lado do Cerrado Basquete, o Brasília Búfalos representa a capital na Liga Ouro, a segunda divisão do basquete nacional

postado em 26/02/2018 11:00 / atualizado em 26/02/2018 15:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Carlos Teixeira/Brasília Búfalos

Brasília Búfalos espera repetir o 'caldeirão' do ginásio da Asceb, como nos tempos do NBB
Após os torcedores de Brasília terem ficado órfãos de basquete no ano passado, dois times da cidade se preparam para preencher o vazio deixado pelo UniCeub ao fim da temporada 2016/2017. O Cerrado Basquete, atual campeão do Basquete Brasília (Braba), e o Brasília Búfalos, com dissidentes do ex-time da capital tricampeão do Novo Basquete Brasil (NBB), são os representantes do Distrito Federal na Liga Ouro, a segunda divisão do basquete nacional, que começa nesta terça-feira (27/2). O campeão ganha vaga no NBB 2018/2019, desde que preencha os requisitos exigidos pela Liga Nacional de Basquete (LNB).

Embora seja um projeto novo, o Brasília Búfalos espera ser contaminado pela energia do antigo representante da capital federal no NBB. A casa é a mesma: o ginásio da Asceb, na 904 Sul, que inclusive passou por reformas no vestiário, na parte elétrica e hidráulica e com pintura da quadra. Parte da equipe que trabalha fora das quadras também foi “herdada” do ex-time, a começar pelo técnico Brenno Blassioli, ex-assistente técnico de Bruno Savignani no UniCeub.

“A energia do basquete vencedor está na Asceb. É um plus para a gente atuar lá, é uma energia positiva”, comemora Brenno. Energia que o treinador terá de usar contra o “ex-professor”, que esteve sete anos no time — ele também foi jogador e se tornou auxiliar técnico em 2001. Nas temporadas 2015/2016 e 2016/2017, Bruno Savignani assumiu o comando do UniCeub e, em 2018, também disputará a Liga Ouro, mas como técnico do Corinthians. O clube paulista estabeleceu como meta ser campeão do NBB em três anos, segundo planos do presidente Andrés Sanchez.

Antigo diretor de marketing do Instituto Viver Esporte (IVE), que detinha a franquia do time de basquete do UniCeub, Bernardo Bessa assume a função de gerente-geral do Brasília Búfalos. Michael Swioklo, ex-integrante da equipe que trabalhava com a base do UniCEUB, se tornou assistente técnico do Búfalos. A equipe recém-montada ainda repetirá do antigo time o preparador físico Carlos Carvalho, o fisioterapeuta Carlos Ewbank, o estatístico José Victor e o roupeiro Hércules Lourenço.

A experiência não chegou a ser concretizada no elenco. Quando o time começou a formular a lista de jogadores para negociação, havia a intenção de trazer atletas que tivessem uma relação com Brasília. “Tinha a ver com jogadores mais velhos, pelo histórico e pela oportunidade de voltar ao NBB, além da credibilidade e da paixão que os torcedores mostram pela cidade”, justifica Brenno Blassioli. “Mas tivemos contratempos com os patrocinadores. Surgimos com a ideia de formar uma equipe mais experiente, mas acabamos ficando com um time mais jovem, só que muito motivado”, completa.

Contra o relógio

O Brasília Búfalos reuniu o elenco tarde. O primeiro treino ocorreu apenas 11 dias antes da estreia na Liga Ouro 2018. Para o técnico Brenno Blassioli, a situação reflete uma oportunidade de deixar o treinamento mais eficiente. “Confesso que estava um pouco pessimista, mas hoje vejo diferente. Pela motivação dos jogadores de receberem a chance de atuar e, especialmente, por ser em um time de Brasília, eles estão empolgados”, avalia, ao dizer que o desafio é fazer o elenco assimilar o conteúdo tático nos jogos. “Uma coisa é colocar isso em prática no treino. Outra é no jogo.”

Para disputar o torneio de acesso à elite do basquete brasileiro, os times precisaram apresentar garantias financeiras de ao menos R$ 500 mil. Dos 14 times que apresentaram interesse em disputar a segunda divisão em 2018, nove confirmaram a pré-inscrição — e são essas que integram a competição. Hoje, o Brasília Búfalos tem o patrocínio do BRBCard.

A dificuldade da estreia fora de casa

Carlos Teixeira/Brasília Búfalos

O Brasília Búfalos estreia na Liga Ouro com dois jogos em Santa Catarina. Encara o Blumenau, amanhã, às 20h15. Quatro dias depois, enfrenta o Brusque, às 20h. “É bom para a torcida daqui, porque o time vai ter evoluído até jogarmos em Brasília”, diz o técnico Brenno Blassioli. A estreia em casa, no ginásio da Asceb, só ocorre em 3 de março, contra o Unifacisa, e emenda os próximos três jogos em Brasília. “Vamos ver como a torcida vai reagir, porque os brasilienses estão acostumados a ver estrelas como Guilherme Giovannoni e Fúlvio. Vamos ver como vai ser a reação com um time mais ‘humilde’. De qualquer jeito, esperamos conquistar a torcida”, completa.

Para ganhar fãs, nada melhor do que raça. É isso que promete o treinador. “Vai ser um time corajoso, aguerrido, que joga como equipe. A união do grupo que vai ser o diferencial”, pontua Blassioli. O elenco do Búfalos tem média de 22,2 anos de idade. Não são apenas os jogadores que farão os primeiros arremessos visando ganharam visibilidade nacional. Brenno Blassioli estreia no comando de um time adulto em um torneio nacional, mas traz na bagagem o trabalho como assistente técnico de Cláudio Mortari, no Pinheiros, além de um estágio na Turquia antes de ser convidado por Bruno Savignani para trabalhar no UniCeub.

Blassioli conta que Bruno deu bastante abertura para ele colocar em prática muitas opções táticas, principalmente ligadas à defesa. A troca de experiências se estendeu ao convívio com jogadores como Giovannoni e Fúlvio. “A diferença do técnico principal para o assistente é a pressão. Esse vai ser meu desafio de estar numa liga forte. Apesar de ser acesso, vai ser uma das edições da Liga Ouro mais disputadas”, aposta o treinador. Ainda que o elenco seja jovem, o objetivo é a vaga na elite. Ao menos, uma campanha que chegue o mais perto disso.

Jogos do Brasília Búfalos

Terça-feira (27/2)
Blumenau x Brasília Búfalos — Ginásio do Galeão (20h15)

Quinta-feira (01/3)
Brusque x Brasília Búfalos — Arena Brusque (20h)

7 de março
Brasília Búfalos x Unifacisa — Ginásio da Asceb (20h)

15 de março
Brasília Búfalos x Macaé — Ginásio da Asceb (20h)

19 de março
Brasília Búfalos x São José — Ginásio da Asceb (20h)

22 de março
Brasília Búfalos x Corinthians — Ginásio da Asceb (20h)

26 de março
Londrina x Brasília Búfalos — Ginásio Moringão (20h)

31 de março
Brasília Búfalos x Cerrado Basquete — Ginásio da Asceb (17h) 

Elenco

Armadores
Bruno Felipe e Gabriel

Alas
Henrique Gama Cerimelli, 
Luiz Gustavo Alves Edwards, Rodrigo Alves Nascimento, Léo Eltink, Leonardo de Souza Branquinho e Victor Henrique Costa da Silva (Bosch)

Pivôs
Léo Bispo e Zé Mauro

Comissão técnica
Brenno Blassiolli (técnico), Michael Swioklo (assistente), Carlos Carvalho (preparador físico), José Victor (estatístico), Carlos Eduardo Ewbank (fisioterapeuta) e Hércules Lourenço (roupeiro) 

 
*ERRATA: Inicialmente o texto dizia que os finalistas ganhariam vaga no NBB 2018/2019, mas o regulamento estabelece que apenas o campeão garante vaga na elite do basquete nacional.